Parque Nacional do Itatiaia, RJ, completa 80 anos com atrativos para todos os públicos

O Parque Nacional do Itatiaia (PNI), no Sul do Rio de Janeiro, comemora 80 anos de fundação nesta quarta-feira (14). Localizado na Serra da Mantiqueira — entre os estados Minas Gerais, Rio de Janeiro, e próximo à divisa com São Paulo — a reserva foi a primeira a ser criada no país, em 1937, de acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que administra o local. Os limites alcançam os municípios de Itatiaia (RJ), Resende (RJ), Itamonte (MG) e Bocaina de Minas (MG)

O parque foi inaugurado abrangendo uma área de aproximadamente 12 mil hectares, mas foi ampliado para 28 mil hectares em de setembro de 1982 — o tamanho corresponde a aproximadamente 30 mil campos de futebol. Ele é caracterizado por montanhas e rochas, sendo o Pico das Agulhas Negras o ponto mais alto.

Com altitude de 2.791,5m, o Pico das Agulhas Negras é o quinto ponto mais elevado do Brasil e o maior do Estado do Rio de Janeiro. As “Agulhas Negras” são ranhuras talhadas pela ação da água da chuva, carregada de gás carbônico, por milhares de anos. O maior do país é o Pico da Neblina com 2.993,8m, o segundo é o Pico 31 de Março com 2.972,7m, o terceiro é o Pico da Bandeira com 2.892m e o quarto é a Pedra da Mina com 2.798m. Entre os dez maiores, ainda está outro ponto do PNI, em nono lugar, a Pedra do Sino de Itatiaia com 2.670m de altitude.

Pico das Agulhas Negras, o quinto mais alto do Brasil, com altitude de 2.791,5m, em Itatiaia (Foto: Yukie Kabashima/Fotógrafa)

Conhecido nacionalmente pelas belezas naturais, a reserva recebeu no último dia 8 (quarta-feira) na sede Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), a Medalha Tiradentes — a mais alta a condecoração concedida pela Casa Legislativa —, destinada a premiar instituições e personalidades que tenham prestado relevantes serviços à causa pública. Para o diretor da reserva, Gustavo Tomzhinski, a homenagem mostra o reconhecimento do parque tanto para região, quanto para o país.
“A Medalha Tiradentes normalmente é dada para pessoas, mas nesse caso foi dado para o parque, pois foi uma forma que a Alerj encontrou de valorizar e dar mais visibilidade a primeira reserva do Brasil. Foi uma demonstração de valorização do nosso patrimônio, da sociedade brasileira”, afirma Tomzhinski.

Atividades abertas ao público fazem parte da programação de aniversário. No próximo dia 14, a reserva inaugura o novo Centro de Visitantes, com a exposição interpretativa revitalizada. O novo espaço contará com réplicas da fauna local, como o tamanduá, macaco e os felinos. A mostra é permanente e chama atenção pela riqueza de detalhes e curiosidades.

Além disso, quem não puder visitar o local, pode conferir até o dia 15 (quinta-feira), no Espaço Z, em Resende — cidade vizinha —, uma exposição sobre a história dos 80 anos do parque. A entrada é de graça e a classificação é livre.

Presente antecipado

A reserva ganhou um presente antecipado pelo aniversário de 80 anos. Deficientes físicos podem ter acesso à parte alta do parque de cadeiras de rodas. O passeio é viável depois que um homem criou para a esposa um projeto possibilitando a ida dela até lugares que antes era considerado impossível por conta de sua doença rara. Batizado de “Juliette”, uma cadeira foi doada em abril ao parque.

Deficientes físicos poderão ir a parte alta do Parque Nacional de cadeira de rodas (Foto: Reprodução/TV Rio Sul)

Animais Silvestres

O Parque Nacional do Itatiaia abriga mais de 370 espécies de aves, mais de 50 mil tipos de insetos, 111 mamíferos, entre eles, o maior primata das Américas, o macaco Muriqui, ameaçado de extinção, além de dezenas de anfíbios e répteis. Um anfíbio de apenas 3 cm, o sapo flamenguinho (Melanophryniscus moreirae), endêmico do local, foi escolhido como símbolo do parque há 10 anos. Além deles, no PNI também é habitado por jararacas, macacos, onça-parda, caxinguelê, irara, entre outros animais silvestres.

Sapo-flamenguinho, símbolo do Parque Nacional do Itatiaia (Foto: Flávio Vilas Boas/VC no TG)

 Vegetação

A vegetação do parque se divide em três grupos: no topo, os campos de altitude. Em uma área de transição fica a floresta alto-montana. E embaixo, a floresta montana. A flora do parque se formou há 18 mil anos, mas muito pouco se tem de mata primitiva. Atividades agrícolas no início do século XX e grandes incêndios destruíram boa parte da paisagem original.

Lírio vermelho florece no verão e se esconde no inverno no Parque Nacional do Itatiaia (Foto: Reprodução/TV Rio Sul)

Sobre a reserva

A Parte Alta do PNI protege nascentes de 12 bacias hidrográficas regionais. Elas alimentam duas bacias principais: a do Rio Grande, afluente do Rio Paraná, e a do Rio Paraíba do Sul, o mais importante do estado do Rio. A área é mais indicada para conhecer durante o período do inverno, já que é nessa época que a visibilidade e as condições climáticas ficam melhores para as trilhas e caminhadas que o local oferece.

Já a Parte Baixa pode ser visitada durante todo ano, já que o clima não interfere nos passeios, já que seu principal atrativo é caracterizado principalmente pela vegetação.

Entre as atrações naturais, os visitantes podem conhecer na Parte Alta, atrativos como o Pico das Agulhas Negras, o Maciço das Prateleiras, o Vale do Aiuruóca e a Pedra do Altar. E na Baixa, o público pode explorar o Lago Azul, a Cachoeira Poranga, a Piscina Natural do Maromba, a Cachoeira Itaporani, a Cachoeira Véu de Noiva — com queda d’água de 40m de altura — e os Três Picos, com vegetação exuberante e generosos cursos d’água, com diversas áreas apropriadas para banho.

Segundo o diretor da reserva, não é necessário que o turista contrate um guia para conhecer o Parque Nacional. Mas, para evitar um incidente, é recomendado que visitante se informe antes para fazer o passeio de forma segura.

Em 2016, o PNI recebeu aproximadamente 130 mil visitantes durante todo ano. Para entrar na unidade é necessário pagar um ingresso que varia entre R$ 3 (Desconto Entorno – Itatiaia (RJ), Resende (RJ), Bocaina de Minas (MG) e Itamonte (MG)), R$ 16 (Desconto Brasil – válidos para residentes no Brasil), R$ 24 (Desconto Mercosul) e R$ 32 (Público em Geral) e há descontos para dias consecutivos.

O horário de funcionamento na Parte Baixa é de 8h às 17h. Nas cachoeiras do Complexo do Maromba é até as 16h, mas em caso de chuva, elas poderão ser interditadas para segurança do público. Também é possível se hospedar na Parte Baixa. Já na parte alta, o horário é de 7h às 14h para o ingresso e até as 17h para permanência.

Fonte: G1

Conteúdos relacionados