Como fazer um passeio ajuda a combater o aquecimento global?

Da janela, você olha o céu antes de sair de casa. Mais uma surpresa. A temporada de chuvas se estendeu para além das águas de março. Aliás, quando é mesmo a temporada de chuvas? Talvez seja de fato a mudança climática, mas também pode ser que você não tivesse reparado nos anos anteriores. O assunto vira papo de elevador. Mas na semana do meio ambiente, retomamos e perguntamos: Qual é a situação de fato?

“As temperaturas no planeta estão cada vez mais altas e a cada ano notamos cada vez mais os efeitos das mudanças climáticas como secas, deslizamentos e branqueamento de corais”, afirma Mariana Ferreira, coordenadora da WWF Brasil. Ela explica ainda que existem importantes compromissos globais e países que realmente se destacam nesse sentido – mudando sua matriz energética, por exemplo.

Parque do Ibirapuera, em São Paulo, foi eleito em 2015 como o melhor parque urbano do planeja pelo jornal britânico The Guardian. (Foto: Nacho Doce/Reuters)

No entanto, ainda existe baixa implementação desses compromissos e falta integração das questões climáticas nos vários setores da economia. O anúncio recente da saída dos EUA do Acordo de Paris é outro sinal da dificuldade de garantir os meios para o combate das mudanças climáticas.

Ainda assim, existem fortes aliadas: as unidades de conservação e, entre elas, os parques! A declaração de “Áreas Protegidas e Mudança do Clima“, assinada em 2015 por dezoito países latino-americanos membros da REDPARQUES, reconhece os sistemas nacionais de áreas protegidas como uma das estratégias mais efetivas para evitar o desmatamento e a degradação de ecossistemas. Portanto, eles contribuem para estabilizar a concentração de gases de efeito estufa na atmosfera.

São áreas que mitigam os efeitos do aquecimento global, uma vez que são importantes barreiras contra o desmatamento; contribuem para a resiliência dos ecossistemas e previnem desastres naturais. Além disso, o benefício desses espaços transpassa as ciências naturais e atinge a sociedade.

Mariana Ferreira lembra que as oportunidades de interação da sociedade com a natureza “garantem maior apoio social a decisões que favoreçam o combate às mudanças climáticas e adoção de um estilo de vida mais sustentável”.

Parques são espaços de conexão com as pessoas. Quem passou as férias em uma chapada quer conservar aquele lugar. Quem mergulhou em recifes de corais sabe da importância de manter aquele ambiente vivo. Quem testemunhou a beleza cristalina de uma cachoeira quer que seus filhos e netos também tenham essa oportunidade.

Por isso, os parques devem estar sempre abertos e cheios de gente. E você? Quando foi a última vez que visitou um parque?

Publicado originalmente no Huffington Post Brasil.

Conteúdos relacionados