Presidente do ICMBio quer mais parques nacionais

O presidente do Instituto Chico Mendes da Conservação da Biovidersidade (ICMBio), Ricardo Soavinski, defendeu na manhã desta terça-feira (7), na abertura da quarta edição do evento Parques do Brasil, em São Paulo, a ampliação e a melhoria dessas unidades de conservação (UC), que têm como um dos principais objetivos oferecer recreação na natureza.

“Nosso desafio é aumentar o número de parques com serviços de visitação, melhorando a qualidade e a experiência dos visitantes, além de diversificar as oportunidades recreativas. Estamos trabalhando para ganhar escala e aumentar a visitação nos parques nacionais”, disse ele.

O evento é promovido pelo Instituto Semeia e reúne iniciativa privada, órgãos públicos e organizações não governamentais (ONGs), com base no tema Parques do Brasil – As Novas Fronteiras da Gestão de Parques.

Soavinski reafirmou a necessidade de parcerias para superar os desafios de administrar as 324 UCs federais, que correspondem a 9% do território nacional. Abordou as boas experiências de concessões com a inciativa privada em quatro parques nacionais (Iguaçu, Tijuca, Fernando de Noronha e Jericoacoara), que são os mais visitados e oferecem boa estrutura para o visitante.

“Ainda temos 18 parques em estudo de viabilidade para a concessão de alguns serviços para a iniciativa privada”, explicou. Nesta lista, estão, entre outros, os parques de Brasíla, Chapada dos Veadeiros, Pau-Brasil, Caparaó, Aparados da Serra, Jaú, Serra da Bocaina, Canela, São Joaquim.

Soavinski ainda citou a experiência com o Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, em Minas Gerais, que tem gestão compartilhada com o Insitituto Ekos, além das 12 unidades de conservação apoiadas pela Fundação SOS Mata Atlântica e 72 que contam com a colaboração do Arpa (Programa de Áreas Protegidas da Amazônia), do Ministério do Meio Ambiente.

O presidente disse que, dos 73 parques nacionais, 50 parques têm plano de manejo e 11 estão com o plano em elaboração. Ressaltou a gestão participativa das UCs. De acordo com ele, 280 unidades contam com conselhos gestores. Soavinski também ressaltou a parceria de voluntários que ajudam a conservar, cuidar e preservar as unidades de conservação. O ICMBio tem hoje 1.700 voluntários em 133 unidades de conservação.

O Instituto Semeia é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 2011 para promover a articulação entre os setores público e privado no desenvolvimento e aplicação de modelos de gestão inovadores e sustentáveis em parques no Brasil.

Publicado originalmente no ICMBio.

Conteúdos relacionados