Trajetória do novo bolsista do Semeia se destaca pela defesa dos parques como instrumentos de desenvolvimento econômico

 

Para Júlio Itacaramby, a missão dos parques brasileiros é conciliar conservação e usufruto do patrimônio natural do país mais biodiverso do mundo

 

Escolhido para cursar a edição 2019 do Programa de Bolsas Semeia | CSU, Júlio Itacaramby possui uma trajetória marcada por sua paixão pelos parques, qualificação técnica e atuação em projetos socioambientais para reforçar o compromisso pessoal e profissional de valorização das áreas protegidas.

A partir de sua relação afetiva com o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (PNCV), Júlio redirecionou sua formação acadêmica e agregou experiências pessoais e profissionais, que proporcionaram uma visão e atuação compromissada com a valorização e proteção de diversas unidades de conservação. Para Júlio, a missão dos parques brasileiros é “viabilizar, ao mesmo tempo, a conservação e o usufruto do patrimônio natural do país mais biodiverso do mundo”.

 

 

É importante solucionar a “questão cultural nacional de baixo conhecimento dos potenciais dos parques e a regularização fundiária

 

Por ter vivenciado, na prática, os potenciais e benefícios que áreas protegidas oferecem, ele defende que esses espaços “podem (e devem) desempenhar papel como um dos principais instrumentos de desenvolvimento econômico nacional”. Diante disso, e baseado em suas experiências, Júlio considera que “a falta de recursos humanos e financeiros” são os principais desafios para viabilizar uma melhor gestão dos parques brasileiros. Além disso, ele acredita que também é importante solucionar a “questão cultural nacional de baixo conhecimento dos potenciais dos parques e a regularização fundiária”.

 

                         Todo grande parque no mundo tinha uma associação de amigos e o PNCV merecia uma.

 

Atualmente, Júlio é Diretor-Geral da Associação de Amigos do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (AVE), projeto inspirado em suas visitas a parques do exterior e que reúne usuários e amigos apaixonados em desenvolver e conservar a biodiversidade da região.

A AVE surgiu após a importante conquista do decreto de ampliação do PNCV em 2017, e sua criação fomenta a ideia que todo grande parque no mundo tinha uma associação de amigos e o PNCV merecia uma. “Além dos 9 fundadores, já contamos com 50 associados cadastrados em nosso site”, afirma Júlio.

 

 

         No curso da CSU espero aprender como melhor aproveitar e gerenciar essas oportunidades de visitação

 

A participação de Júlio no processo seletivo do curso na CSU vem da sua vontade de aliar uma necessidade local a um grande sonho: criar novas oportunidades e ordenar a visitação no PNCV e entorno.  E toda sua trajetória e conquistas criaram o contexto e motivos para chegar até aqui.

A visitação do parque cresceu 223% nos últimos 10 anos. Dessa forma, diversificar e ordenar as oportunidades de visitação se tornou uma grande necessidade para a gestão. No curso da CSU espero aprender como melhor aproveitar e apoiar essas oportunidades de visitação”, explicou Júlio. Ele também espera adquirir ainda mais experiências para seu trabalho e inspirar os atores locais, que serão peças-chave na construção de novas oportunidades.

Como legado, Júlio espera criar possibilidades para envolvimento e engajamento da população e melhorar a relação de pertencimento da sociedade com o PN Chapada dos Veadeiros.

 

Trajetória pessoal e profissional

A relação de Júlio com a natureza começou na infância, quando passava férias na fazenda da família. Mas a paixão pelos parques surgiu em 2002, em sua primeira vez na região da Chapada dos Veadeiros. Foi amor à primeira vista.

Em 2003, após recorrentes visitas à região, decide redirecionar sua formação acadêmica inicialmente dedicada ao direito tributário, para se especializar em direito ambiental.

Em 2007 foi o momento de repensar seu futuro. Ao concluir os estudos, partiu para um ano sabático, quando viajou por 19 países, visitou 12 parques e foi voluntário em fazendas de produtos orgânicos em diversos locais.

Na Austrália, formou-se no curso de permacultura. Ao retornar para o Brasil, desenvolveu por dois anos projetos socioambientais de permacultura em Brasília.

No início de 2011, a relação com os parques fica séria. Júlio se forma no curso de guia local e passa atuar no PNCV para guiar grupos de estrangeiros na região, onde ainda não havia guias bilíngues suficientes para atender a demanda.

 

 

Até então tinha uma paixão pelas belezas cênicas e pela natureza local, mas a partir dali passei a ver o parque (e seu entorno) também como minha fonte de sustento econômico”.

 

Por sua atuação como guia e em projetos socioambientais, em 2013 veio o convite para trabalhar como Secretário Municipal do Meio Ambiente na Prefeitura de Alto Paraíso de Goiás, cargo que exerceu até 2016. No mesmo ano, conclui a graduação em Gestão Ambiental (à distância), com trabalho de conclusão de curso sobre a gestão da APA de Pouso Alto (ao redor do PNCV).

Atualmente, Júlio é Diretor-Geral da Associação de Amigos do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (AVE), onde desenvolve projetos de desenvolvimento e conservação da biodiversidade da região.

 

 

Conteúdos relacionados